5 Filmes de terror psicológico dirigidos por mulheres

Atualizado: 15 de ago.



Rafaela Germano, professora do Espaço Rasgo, fez uma seleção de cinco filmes de terror psicológico dirigidos por mulheres que você não pode deixar de conferir.


  1. O CHALÉ (The Lodge)

2019

IMDb: 6,1

Diretora: Veronika Franz, Severin Fiala


SINOPSE: Uma madrasta leva duas crianças para passar a noite em um chalé em um isolado vilarejo. Uma nevasca acaba deixando-os presos na casa e forças sobrenaturais passam

a aterrorizá-los.


Da mesma dupla de diretores de “Goodnight Mommy” (2014), “O Chalé” não decepciona. Trazendo o universo infantil novamente neste filme, porém com uma abordagem bem diferente, o filme tem grandes atuações, com destaque para a atriz principal Riley Keough, e um roteiro bem construído. Trata-se de um filme de isolamento, onde os personagens ficam presos em um lugar sem contato com o mundo exterior. Isso faz com que a angústia aumente a cada cena, conforme as tensões entre os personagens também seguem em uma crescente. O longa-metragem também traz à tona questões relacionadas aos traumas vividos após sair de uma seita religiosa.



2. THE INVITATION

2015

IMDb: 6,6

Diretora: Karyn Kusama


SINOPSE: Will e a namorada vão para um jantar a convite da ex-mulher dele. Ela também está com um novo marido e ambos, junto com estranhos novos amigos, apresentam um comportamento que intriga Will.


O filme conta basicamente a história de Will (Logan Marshall-Green) e sua namorada Kira (Emayatzy Corinealdi), que vão jantar na casa da ex-mulher de Will, Eden (Tammy Blanchard), a convite da mesma. Segundo ela, seria um jantar de comemoração. Desde o início, “The Invitation” é um filme que constrói o suspense com sutileza, sem diálogos expositivos e através de pequenos detalhes vai nos revelando a trama. O filme se passa em praticamente um único ambiente, o que trabalha a favor da narrativa e aumenta o clima de tensão.


3. ALWAYS SHINE

2016

IMDb: 5,7

Diretora: Sophia Takal


SINOPSE: Duas atrizes, com diferentes graus de êxitos, viajam para o norte a partir de Los Angeles, para voltar a se conectar depois de anos de competição e ciúmes.


“Always Shine” narra a história de duas amigas que decidem fazer uma viagem juntas para se reaproximarem após anos de uma relação conturbada e permeada pela inveja e competição. Trazendo duas protagonistas femininas complexas e bem diferentes entre si, o filme aborda a rivalidade feminina sob a perspectiva da própria mulher, levantando questões que atormentam as mulheres há séculos. A atmosfera de paranóia permeia todo o filme, cuja direção de arte é bela e impecável, contrastando com a narrativa sombria.



4. PSICOPATA AMERICANO (American Psycho)

2016

IMDb: 7,6

Diretora: Mary Harron


SINOPSE: Em Nova York, em 1987, o belo jovem bem-sucedido Patrick Bateman tem uma segunda vida como um horrível assassino em série durante a noite.


Provavelmente o filme mais conhecido dessa lista e também considerado um clássico do Horror, “Psicopata Americano”, como alguns não sabem, foi dirigido por uma mulher. O filme com tom satírico tece fortes críticas à misoginia e à objetificação feminina, bem como trata de temas como racismo e homofobia, ao retratar um personagem branco, rico e privilegiado que se aproveita disso para cometer as maiores atrocidades. O filme nos faz questionar o que é verdadeiro ou não, o que aconteceu de fato e o que foi apenas uma alucinação, sendo um ótimo terror psicológico.



5. SAINT MAUD

2019

IMDb: 6,7

Diretora: Rose Glass


SINOPSE: Maud, uma enfermeira católica, fica obcecada em salvar a alma de sua paciente, que está morrendo.


“Saint Maud” coloca a religiosidade como tema central para discutir temas como solidão, obsessão e loucura feminina. A personagem principal, Maud (Morfydd Clark) é uma enfermeira que se torna obcecada em salvar a alma de sua paciente, tornando esse seu objetivo e razão de viver. Em uma jornada de autodestruição, Maud entra em uma espiral crescente de delírio até chegar em seu ápice. Sendo o longa-metragem de estreia da diretora Rose Glass, o filme é minimalista e com uma narrativa muito bem construída, além da estética que contribui muito para o clima do filme e construção dos personagens.



***

Rafaela Germano, professora do curso "Cinema de Horror e Monstruosidade Feminina", é Cineasta, artista visual e pesquisadora. Graduada em Cinema e Audiovisual pela UFES e mestranda de Comunicação pela UFPE. Realiza pesquisas sobre Cinema de Horror sob a perspectiva feminista, tendo criado o site “Mulheres no Horror”.



0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo