top of page

A Ausência do Mestre


Em um mundo cada vez mais marcado pela individualidade e pela incessante busca de autossuficiência, é difícil não refletir sobre a crescente sensação de vazio existencial e a perda de humanidade que permeiam nossas vidas. A ausência da figura do mestre, alguém que nos guie com sabedoria e experiência, parece ser um dos fatores centrais dessa crise contemporânea. Vivemos em uma cultura que nos incentiva a acreditar que somos ultraespeciais e capazes de moldar nossos próprios destinos sem a necessidade de orientação externa. No entanto, essa mentalidade egoica pode nos levar a uma vida de busca incessante por um norte e uma raiz que, conscientes ou inconscientemente, acabamos encontrando ou construindo em outras esferas, seja na religião, na academia, nos pais, nos psicólogos, nos relacionamentos, ou até mesmo nos animais. Ou talvez essa seja a nossa condição humana?


Ao nos afastarmos da figura do mestre, mergulhamos em um vício egoico que nos obriga a carregar o peso de nossas escolhas e incertezas sozinhos. A ausência de um guia pode levar a um sentimento de sobrecarga, onde a responsabilidade por nossas vidas se torna esmagadora. Nessa busca incessante por um norte, acabamos depositando nossa necessidade de orientação em outras fontes. A religião pode oferecer uma estrutura e um sentido de comunidade, a academia pode proporcionar um entendimento mais profundo do mundo, os pais podem ser um porto seguro, e os psicólogos podem ajudar a navegar pelas complexidades emocionais. Até mesmo relacionamentos amorosos e a companhia de animais podem preencher, temporariamente, o vazio deixado pela ausência de um mestre.

No entanto, esses substitutos, embora valiosos, muitas vezes não conseguem preencher completamente a lacuna deixada pela ausência de uma orientação mais profunda e contínua. Filosófica. A fragmentação de nossas fontes de orientação reflete a fragmentação de nossas próprias identidades e propósitos. Sem um mestre para nos guiar, podemos facilmente nos perder em um mar de informações e expectativas conflitantes, lutando para encontrar um caminho que nos pareça autêntico e significativo.

Na série Fleabag, a protagonista verbaliza uma luta interna com a responsabilidade esmagadora de tomar todas as decisões sozinha, de carregar o peso de sua existência sem um norte claro. Sua confissão ao padre (Andrew Scott) revela um desejo desesperado por simplicidade e clareza em meio à complexidade da vida adulta. Ela não apenas quer respostas fáceis, mas anseia por um guia que possa aliviar sua carga emocional e existencial, alguém que possa fornecer um mapa para a vida, com promessas de recompensas claras no final. Mesmo quando confrontada com a racionalidade que nega qualquer significado último, ela ainda se vê consumida pelo medo e pela incerteza. Isso demonstra que, apesar de vivermos em uma era que valoriza a autonomia e a autossuficiência, a necessidade de um mestre, alguém que possa oferecer sabedoria e direção, permanece profundamente enraizada em nossa psique.


A fala de Fleabag é uma manifestação clara do conflito entre a busca por independência e a necessidade de orientação. Ela encapsula a condição moderna de viver em um mundo que promove a ideia de que cada um deve ser o mestre de seu próprio destino, enquanto, ao mesmo tempo, as pessoas sofrem com a solidão e a falta de sentido que essa liberdade absoluta pode trazer. A ausência de mestres deixa um vazio que muitos, como Fleabag, tentam preencher de diversas maneiras, frequentemente sem sucesso. Reconhecer e validar essa necessidade pode ser o primeiro passo para restaurar um equilíbrio saudável entre autonomia e orientação em nossas vidas.

Fleabag é uma comédia dramática britânica criada e estrelada por Phoebe Waller-Bridge. A série segue a vida de uma jovem mulher espirituosa e irreverente, conhecida apenas como Fleabag, enquanto ela navega pelas complexidades de viver em Londres. Após a trágica morte de sua melhor amiga e parceira de negócios, Fleabag luta para manter sua cafeteria e sua sanidade, enquanto lida com relacionamentos conturbados, uma família disfuncional e uma série de escolhas questionáveis.


Essa falta de orientação clara e confiável contribui para o adoecimento de nossa sociedade. O aumento das taxas de doenças mentais, como depressão e ansiedade, pode ser visto como um sintoma dessa crise existencial. As pessoas estão sobrecarregadas com a responsabilidade de encontrar seu próprio caminho em um mundo cada vez mais complexo e incerto, sem ter alguém em quem confiar plenamente para orientá-las. Essa carga constante pode levar a um profundo sentimento de desespero e desamparo.

O desejo de encontrar alguém que possa dizer "me guia, por favor" é um reflexo da nossa necessidade fundamental de conexão e apoio. Todos precisamos de alguém que possa ver além de nossas limitações imediatas, que compreenda o peso de nossas experiências e que possa nos ajudar a navegar pelos desafios da vida com sabedoria e compaixão. A figura do mestre oferece justamente isso: um ponto de referência estável em meio ao caos, alguém que pode oferecer não apenas respostas, mas também o apoio emocional e moral necessário para enfrentar as dificuldades da existência.


Para reconstruir nossa humanidade e preencher o vazio existencial que sentimos, é crucial redescobrir e valorizar a importância do mestre em nossas vidas. Isso não significa necessariamente retornar a modelos antigos de hierarquia e dependência, mas sim reconhecer a importância de buscar orientação e apoio de maneira consciente e deliberada. Pode ser útil encontrar mentores em áreas específicas de nossas vidas, seja no campo profissional, espiritual ou pessoal, e estar abertos a aprender com a sabedoria e a experiência dos outros.

A figura do mestre não precisa ser tradicional ou formal. Pode ser qualquer pessoa que, com experiência, compaixão e sabedoria, esteja disposta a compartilhar seu conhecimento e oferecer orientação. Ao reconhecermos a importância dessa figura, podemos começar a construir relações mais profundas e significativas, baseadas na confiança e no respeito mútuo. Dessa forma, podemos aliviar a carga de carregar tudo nas costas sozinhos e encontrar um sentido maior de propósito e direção em nossas vidas.


Reconhecer a necessidade de orientação e buscar conscientemente mestres em nossas vidas pode nos ajudar a encontrar um caminho mais equilibrado e significativo. Ao fazermos isso, podemos não apenas aliviar a carga que carregamos, mas também redescobrir um sentido mais profundo de conexão e propósito em nossas existências.

0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Comentários


bottom of page