Para assistir: A Trilogia das Cores


A Trilogia das Cores do diretor polonês Krzysztof Kieslowski acabou de ser relançada em uma linda restauração em 4K. No Brasil ela ainda é inédita na data em que faço essa publicação, mas é possível ver a qualidade obtida diretamente do negativo original em um trailer disponibilizado no YouTube. Obviamente que o Bluray que será lançados pela Janus Films possuem uma qualidade muito maior do que o player abaixo, mas já podemos sentir o gostinho ao ver essas imagens em uma resolução inédita.

Os três filmes se passam na França do começo dos anos 90 e abordam as narrativas de três mulheres em distintas situações. Cada filme ganhou uma das cores da bandeira francesa e no Brasil os títulos ganharam as palavras do lema da Revolução Francesa: "Liberdade, Igualdade e Fraternidade”.


Mas esse é somente o ponto de partida poético dos filmes. Que vão muito além dessas relações entre as cores e a França.


A LIBERDADE É AZUL (Trois couleurs: Bleu)


Ano: 1994

Direção: Krzysztof Kieslowski

Onde ver: Telecine Play (versão não restaurada)

IMDb: 7,9


SINOPSE: Após perder sua filha e seu marido em um acidente de carro, Julie decide se libertar de tudo que a lembre sua antiga vida. Reclusa em seu novo apartamento, ela sofre em silêncio, envolta em uma melancolia azul.


As imagens abaixo estão na resolução das novas restaurações:



A IGUALDADE É BRANCA (Trois couleurs: Blanc)


Ano: 1994

Direção: Krzysztof Kieslowski

Onde ver: Telecine Play (versão não restaurada)

IMDb: 7,6


SINOPSE: O filme mais cômico da trilogia conta a história de Dominique, que se sente traído por sua esposa francesa após ela pedir o divórcio. Ele volta para seu país de origem e planeja uma vingança contra ela, que o humilha sempre que pode.


As imagens abaixo estão na resolução das novas restaurações:



A FRATERNIDADE É VERMELHA (Trois couleurs: Rouge)


Ano: 1994

Direção: Krzysztof Kieslowski

Onde ver: Telecine Play (versão não restaurada)

IMDb: 8,1


SINOPSE: Uma jovem modelo atropela um cachorro, cujo dono é um juiz aposentado que passa seu tempo escutando as conversas dos vizinhos. A partir desse encontro, os dois formam uma estranha amizade.


As imagens abaixo estão na resolução das novas restaurações:


Caso ainda não tenha assistido a esses três filmes, deixo aqui a dica para que conheça essa obra prima do cinema contemporâneo. E se já assistiu, só aguardar mais um pouquinho que daqui a pouco vamos conseguir rever nessas resoluções fantásticas que estão sendo lançadas.

***


Do autor: Caetano Grippo é cineasta, artista plástico e professor. No Espaço Rasgo, além de coordenador é idealizador e professor dos cursos de narrativas, fotografia e direção.








0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo